Manifestações neurológicas da COVID-19 e suas implicações em pessoas com Doença de Parkinson

Quais são as manifestações neurológicas da COVID-19 e como a COVID-19 afeta o tratamento de pessoas com doença de Parkinson e seus resultados? Os especialistas do MDS Virtual Congress 2020 (Congresso Virtual da Sociedade de Desordem do Movimento) apresentaram um resumo atualizado de todas as informações disponíveis atualmente.

Quais são as manifestações neurológicas da COVID-19?

As manifestações neurológicas não são incomuns em pacientes com infecção por COVID-191 e estudos encontram-se em andamento para determinar sua prevalência e natureza, disse a professora Elena Moro, Grenoble, França.

As manifestações neurológicas mais frequentes são cefaleia, mialgia, anosmia e ageusia

Múltiplas manifestações neurológicas foram relatadas, incluindo encefalopatia e acidente vascular cerebral. As mais frequentes identificadas por 2.343 médicos, principalmente neurologistas radicados na Europa, são cefaleia, mialgia, anosmia, ageusia, diminuição da consciência e agitação psicomotora.2

Raramente, pacientes com infecção por COVID-19 desenvolvem hipercinesia de início recente, mas aparentemente transitória, com tremor e mioclonia e, de forma muito rara, sintomas de parkinsonismo,3 observou o professor Alfonso Fasano, Toronto, Canadá.

Sintomas de início precoce em pacientes com infecção por COVID-19 são muito raros

A ressonância magnética mostrou alteração microestrutural, principalmente nos córtices olfatórios centrais, nos estágios de recuperação da COVID-19, sugerindo que as manifestações neurológicas pós-infecciosas de curto e longo prazo são possíveis.4

A avaliação neurológica e cognitiva longitudinal dos indivíduos após a recuperação da COVID-19 são, portanto, cruciais para compreender a história natural da COVID-19,5 concluiu a Professora Moro.

 

Infecção por COVID-19 em pessoas com DP

“As pessoas com DP são mais suscetíveis à infecção por COVID-19? E como a infecção por COVID-19 pode afetar o manejo da DP?” Perguntou o professor Fasano.

Pessoas com DP não parecem ter risco aumentado de desenvolver COVID-19

Junto com colegas, ele investigou uma grande coorte de pacientes com DP não avançada. O risco e a mortalidade da COVID-19 foram semelhantes aos da população em geral na Itália, porém os sintomas da COVID-19 pareceram mais leves.6

Enquanto isso, em outro estudo, pessoas com DP com infecção por COVID‐19 experimentaram piora significativa dos sintomas motores e não motores, especialmente fadiga e sintomas urinários. O agravamento dos sintomas foi atribuído à infecção e à farmacocinética dopaminérgica prejudicada, com necessidade de ajustes à medicação dopaminérgica.7

 

Impacto da COVID-19 no atendimento clínico

Saúde mental, atividade física e qualidade de vida prejudicadas foram documentados entre pacientes com DP durante a pandemia da COVID-19, disse o professor Esther Cubo, Burgos, Espanha. A telemedicina pode ajudar a garantir o atendimento contínuo e a abordar esses problemas.8

A telemedicina permite que os pacientes com DP fiquem seguros e evitem viajar para os locais de atendimento. Um modelo de duas etapas integrando uma triagem de telenfermagem seguida por videoconsultas com neurologistas foi descrito.9

Uma pesquisa global com especialistas em telemedicina entre março e abril de 2020 descobriu que todas as formas de telemedicina para distúrbios do movimento aumentaram como uma resposta imediata à pandemia, juntamente com as regulamentações governamentais atualizadas. Os desafios incluem questões de privacidade, falta de reembolso, acesso limitado e falta de treinamento em telemedicina.10

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências
  1. Mao L, et al. JAMA Neurol. 2020;77:683–90.
  2. Moro E, et al. Eur J Neurol. 2020;27:https://doi.org/10.1111/ene.14407.
  3. Romero Sánchez CM, et al. Neurology. 2020;95: https://doi.org/10.1212/WNL.0000000000009937.
  4. Lu Y, et al. EClinicalMedicine. 2020;25:100484. https://doi.org/10.1016/j.eclinm.2020.100484.
  5. Zubair AS, et al. JAMA Neurol. 2020;77:683–90.
  6. Fasano A, et al. Mov Dis. 2020;35:https://doi.org/10.1002/mds.28176.
  7. Cilia R, et al. Mov Dis. 2020;35:https://doi.org/10.1002/mds.28170.
  8. Shalash A, e tal. Mov Dis. 2020;35:https://doi.org/10.1002/mds.28134.
  9. Cilia, R. Parkinsonism Relat Disord. 2020;75:130–2.
  10. Hassan A, et al. Mov Dis. 2020:https://doi.org/10.1002/mds.28284.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.