Novas abordagens para o tratamento agudo e a longo prazo da esquizofrenia

Em um workshop intitulado ‘Atualização Internacional sobre Tratamento Agudo e de Longo Prazo da Esquizofrenia: Novos Dados e Novas Abordagens’, o Professor Christoph Correll (EUA e Alemanha), o Professor Leslie Citrome (EUA) e o Professor Ira Glick (EUA) discutiram os resultados da pesquisa e forneceram orientações práticas sobre as melhores opções de tratamento possíveis para pacientes com esquizofrenia em fases agudas, em momentos de agitação e ao longo de sua vida.

Manejo do tratamento para reduzir a recidiva

Em pacientes com esquizofrenia, os fatores de risco modificáveis para resultados ruins incluem maior duração da psicose não tratada.1 Isso pode, de acordo com o Professor Correll, ser abordado por meio do tratamento adequado dos pacientes do primeiro episódio quando a resposta à medicação antipsicótica é a maior.2 A melhor recuperação possível, juntamente com reduções na recidiva, hospitalização e cessação do tratamento, é melhor alcançada através de serviços de intervenção precoce, nos quais a medicação é combinada com tratamento psicossocial e terapêutico.3

Serviços de intervenção precoce levam a melhores taxas de recuperação e menos hospitalizações e recidivas

O tratamento de manutenção é fundamental para reduzir a recidiva e o professor Correll sugeriu o uso contínuo de entrevistas motivacionais para incentivar os pacientes a permanecerem em sua medicação. Ele destacou que, uma vez alcançada uma dose estável de medicamento, que melhor controla os sintomas e limita os eventos adversos (EAs), ela não deve ser reduzida, pois isso pode aumentar o risco de recidiva4, independentemente de quanto tempo a pessoa esteja recebendo medicação.5

O tratamento de manutenção é fundamental

O uso de um antipsicótico injetável de ação prolongada (IAP) pode ajudar na adesão à medicação e diminuir o risco de recidiva6 com paridade mostrada entre a maioria dos antipsicóticos IAPs de segunda geração em termos de prevenção de recidiva e descontinuação do tratamento.7

Vale ressaltar, no entanto, que os EAs associados a alguns antipsicóticos8 podem impactar o funcionamento, o que pode diminuir a qualidade de vida e aumentar a não adesão.9 Isso, salientou o professor Correll, significa que os tratamentos devem ser ‘ajustados’ ao indivíduo.

Os tratamentos devem ser ‘ajustados’ ao indivíduo

Os EAs com medicamentos antipsicóticos, discutiu o Professor Correll, são mais previsíveis do que a eficácia, pois estão diretamente ligados ao seu mecanismo de ação.10 Os efeitos colaterais metabólicos podem ser particularmente preocupantes, pois em pacientes com esquizofrenia, a síndrome metabólica e os fatores de risco cardiovascular estão associados ao comprometimento cognitivo.11

 

Tratamento de agitação e agressão na esquizofrenia

Em alguns pacientes, os sintomas de esquizofrenia podem incluir períodos de agitação12, discutiu o Professor Citrome. O projeto Best Practices in Evaluation and Treatment of Agitation (BETA - Melhores Práticas em Avaliação e Tratamento de Agitação) foi criado devido à falta de diretrizes de qualidade.13 Sua declaração de consenso incluiu um objetivo principal de acalmar o paciente, que pode ser inicialmente tentado por meios não-farmacológicos; desencorajamento da medicação utilizada apenas como meio de restrição ou para induzir o sono; e uso de preparações intramusculares quando há dificuldades na administração de medicamentos orais.14 Outro ponto foi a participação do paciente na seleção de medicamentos, que, de acordo com o Professor Citrome, pode forjar uma melhor aliança terapêutica.

Em pacientes que experimentam agitação,  acalmar é o objetivo principal

Em termos de medicamentos para tratamento, o Professor Citrome recomendou antipsicóticos de segunda geração (ASG)15 que também podem permitir uma transição mais fácil para a terapia de manutenção. Ele concluiu discutindo as formulações de ASG inaladas,16 sublinguais e administradas por via nasal.17

 

Medicamento antipsicótico para controle de sintomas ao longo da vida

O Professor Glick discutiu como o tratamento ao longo da vida de um paciente com esquizofrenia precisa envolver sua família, outras pessoas significativas, cuidadores e profissionais de saúde mental. Ele discutiu três de seus estudos, todos naturalistas, que investigaram a adesão aos antipsicóticos ao longo da vida, os resultados de vida globais e a satisfação com a vida.

No primeiro estudo, na clínica do Professor Glick, a coorte (n=35) era na sua maioria do sexo masculino (74%; idade média 45,3 anos), predominantemente sem um transtorno por uso de substâncias comórbidas (TUSC) (75%) e uma média de 10,2 anos em tratamento.18 No segundo estudo, realizado por uma organização de pesquisa clínica independente em um centro diferente (n=34), a idade média foi semelhante (47,3 anos), 61% eram do sexo masculino, mais participantes possuíam um TUSC (61%) e havia uma média de 20,6 anos em tratamento.19 No terceiro estudo, de uma coorte hospitalar de Administração de Veteranos (VA) (n=20), os pacientes eram mais velhos (média de 57,0 anos), 95% eram do sexo masculino e 40% possuíam um TUSC.20

Uma maior adesão leva a maiores níveis de funcionalidade e satisfação com a vida

As classificações de adesão e os níveis de resultados e funcionamento de satisfação com a vida avaliados pelo paciente e pelo médico foram altos no primeiro estudo,18 médios no segundo19 e menores no terceiro.20 No entanto, em todos esses estudos, o Professor Glick descobriu que melhores classificações nessas escalas estavam associadas à adesão à medicação.18-20 Ele observou que as amostras eram pequenas, as coortes podiam não ser generalizáveis e esses estudos não foram randomizados ou controlados, de modo que estudos maiores e mais formais são necessários.

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências

  1. Carbon M, Correll CU. Dialogues Clin Neurosci. 2014; 16: 505-524.
  2. Zhu Y, et al. Eur Neuropsychopharmacol. 2017; 27: 835-844.
  3. Correll CU, et al. JAMA Psychiatry. 2018; 75: 555-565.
  4. Højlund M, et al. JAMA Psychiatry. 2022; 79: 85-86.
  5. Tiihonen J, et al. Am J Psychiatry. 2018; 175: 765-773.
  6. Kishimoto T, et al. Lancet Psychiatry. 2021; 8: 387-404.
  7. Ostuzzi G, et al. Am J Psychiatry. 2021; 178: 424-436.
  8. Dibonaventura M, et al. BMC Psychiatry. 2012; 12: 20.
  9. Tandon R, et al. Ann Gen Psychiatry. 2020; 19: 42.
  10. Huhn M, et al. Lancet. 2019; 394: 939-951.
  11. Hagi K, et al. JAMA Psychiatry. 2021; 78: 510-518.
  12. Citrome L. Curr Opin Psychiatry. 2021; 34: 216-221.
  13. Holloman GH, Jr., Zeller SL. West J Emerg Med. 2012; 13: 1-2.
  14. Wilson MP, et al. West J Emerg Med. 2012; 13: 26-34.
  15. Citrome L. Pharmacological treatment of Agitation. In: Nordstrom KD, Wilson MP, Zeller SL, eds. The Diagnosis and Management of Agitation. Cambridge: Cambridge University Press; 2017: 200-218.
  16. Lesem MD, et al. Br J Psychiatry. 2011; 198: 51-58.
  17. Ward K, Citrome L. Expert Opin Investig Drugs. 2020; 29: 245-257.
  18. Glick ID, et al. J Clin Psychopharmacol. 2017; 37: 125-130.
  19. Glick ID, et al. CNS Spectr. 2019; 24: 557-563.
  20. Glick ID, et al. J Clin Psychopharmacol. 2020; 40: 145-148.