Prevenção de uso excessivo de medicamentos na prática clinica

O uso excessivo de medicamentos ocorre em aproximadamente 75% de pacientes com enxaqueca crônica que são diagnosticados corretamente e recebem tratamento farmacológico agudo e preventivo apropriado, disse o professor Dawn Buse, Albert Einstein College of Medicine, NY, na AAN 2021. Resulta do uso subótimo de terapias agudas e preventivas e pode ser evitado por meio de consulta a um profissional médico experiente no tratamento da enxaqueca, um diagnóstico preciso e um tratamento adequado baseado em diretrizes.

As barreiras para bons resultados médicos para enxaqueca

O uso subótimo de terapias agudas e preventivas leva ao uso excessivo de medicamentos

Pacientes com enxaqueca alcançam um bom resultado médico quando sua jornada de saúde atravessa quatro barreiras, disse o professor Buse. Listadas na ordem em que aparecem na jornada de saúde de um paciente, essas barreiras são:

1. Consulta com um profissional médico com experiência no tratamento da enxaqueca

2. Diagnóstico preciso

3. Um plano individualizado de tratamento que inclui tratamento agudo e preventivo baseado em diretriz apropriada.1

4. Evitar o uso subótimo de terapias agudas e preventivas que levam ao uso excessivo de medicamentos2,3

Falha em atravessar essas barreiras é associada com:

  • Um risco crescente de progressão da enxaqueca4,5
  • Deficiência relacionada à dor de cabeça2,6
  • Sintomas psicológicos4

 

Qual proporção de pacientes com enxaqueca evitam uso excessivo de medicamento?

74,7% dos entrevistados com MC que foram diagnosticados corretamente e receberam tratamento farmacológico agudo e preventivo minimamente apropriado preencheram os critérios de uso excessivo de medicamento na fase aguda

O professor Buse apresentou os resultados de uma pesquisa com 16.789 indivíduos com enxaqueca que avaliou a proporção de pessoas que cruzam cada uma das quatro barreiras para alcançar um bom resultado médico.7

Dos 9184 participantes do estudo norte-americano Chronic Migraine Epidemiology and Outcomes (CaMEO) que atenderam aos critérios de elegibilidade:

  • 1254 tinham enxaqueca crônica (CM, abreviação do inglês Chronic Migraine)
  • 7930 tinham enxaqueca episódica (EM, abreviação do inglês Episodic Migraine)

Apenas 1,8% dos entrevistados com CM ultrapassaram todas as quatro barreiras

Entre os entrevistados com CM, apenas 1,8% atravessaram todas as quatro barreiras:

  • 40,8% relataram consulta atual de dor de cabeça
  • 32,8% dos consultados receberam um diagnóstico preciso
  • 54,2% daqueles com um diagnóstico preciso receberam tratamento farmacológico agudo e preventivo minimamente apropriado
  • 74,7% das consultoras diagnosticadas e tratadas preencheram os critérios de uso excessivo de medicamento aguda

Negros e/ou afro-americanos e entrevistados multirraciais tiveram uma taxa maior de uso excessivo de medicamentos

Entre os entrevistados com EM, apenas 8,5% atravessaram todas as quatro barreiras:

  • 27,6% relataram consulta atual de dor de cabeça
  • 75,7% dos consultados receberam um diagnóstico preciso
  • 59,9% daqueles com um diagnóstico preciso receberam tratamento farmacológico agudo e preventivo minimamente apropriado
  • 31,8% das consultoras diagnosticadas e tratadas preencheram os critérios de uso excessivo de medicação na fase aguda

Uma renda mais alta foi significativamente associada a uma maior taxa de ultrapassagem de cada barreira.

Negros e/ou afro-americanos tiveram taxas mais altas de consultas do que outros grupos raciais e taxas mais altas de uso excessivo de medicamentos. Os entrevistados multirraciais também tiveram uma taxa mais alta de uso excessivo de medicamentos durante a fase aguda.

 

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados!

Referências
  1. Dodick DW, et al. Assessing barriers to chronic migraine consultation, diagnosis, and treatment: results from the Chronic Migraine Epidemiology and Outcomes (CaMEO) study. Headache 2016;56:821–34. 
  2. Lipton RB, et al. Predicting inadequate response to acute migraine medication: results from the American Migraine Prevalence and Prevention (AMPP) study. Headache 2016;56:1635–48.
  3. Bigal ME, et al. Acute migraine medications and evolution from episodic to chronic migraine: a longitudinal population-based study. Headache 2016;48:1157–68.
  4. Schwedt TJ, et al. Factors associated with acute medication overuse in people with migraine: results from the 2017 migraine in America symptoms and treatment (MAST) study. J Headache Pain 2018;19:38.
  5. Bigal ME, Lipton RB. Migraine chronification. Curr Neurol Neurosci Rep. 2011;11:139–48.
  6. Raggi A, et al. Chronic migraine with medication overuse: association between disability and quality of life measures, and impact of disease on patients' lives. J Neurol Sci 2015;348:60–6.
  7. Buse DC, et al. Assessing barriers to care in episodic and chronic migraine: results from the Chronic Migraine Epidemiology and Outcomes (CaMEO) Study. Neurology 2021;15(Suppl):1144.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.