Além dos sintomas: a importância de ouvir o paciente para mensurar o engajamento com a vida

Historicamente, a definição de doença mental tem como foco o diagnóstico, com o tratamento bem-sucedido definido como 'ausência da doença'1. Isso está mudando para uma definição focada na pessoa. Os objetivos do tratamento precisam abranger a função psicológica positiva1, pois a ausência de transtornos mentais não assegura a existência de um bem-estar mental. Este simpósio do ECNP 2021 incentivou os médicos a olharem além do controle dos sintomas, a fim de melhorar o engajamento na vida e a resiliência do paciente, com o uso de resultados de funcionalidade relatados pelo paciente.

Definição de metas bem-sucedidas de tratamento

Melissa Paulita Mariano (University of the East Ramon Magsaysay Memorial Medical Center, Quezon, Filipinas) iniciou a sessão enfatizando a importância da definição de metas do tratamento. Isso identifica prioridades, aumenta a motivação dos pacientes, incentiva a apropriação do processo de recuperação pelos pacientes e leva a esforços focados2. A definição de metas bem-sucedidas deve ser colaborativa, revisitada e ajustada como um processo ativo entre o médico e o paciente2,3.

Uma comunicação aprimorada é essencial, pois as metas do tratamento podem variar entre pacientes e profissionais de saúde

Uma comunicação aprimorada é essencial, pois as metas do tratamento podem variar entre pacientes e profissionais de saúde (HCPs). Um estudo sobre transtorno depressivo maior (TDM)4 mostrou que a meta de tratamento primário agudo mais comum para os pacientes (29%) e HCPs (53%) era melhorar o humor, mas que os pacientes também valorizavam o retorno aos relacionamentos sociais (21%), familiares (20%) ou de trabalho (14%) e a redução dos efeitos adversos (16%), enquanto apenas 1% dos HCPs considerou a redução dos efeitos adversos como uma meta de tratamento primário. Da mesma forma, na esquizofrenia, as metas do tratamento dos pacientes abrangem mais do que apenas o controle dos sintomas, sendo outras metas comuns a capacidade de pensar com clareza e reduzir as hospitalizações5. Os HCPs subestimam a retomada das atividades na vida diária, a melhora da satisfação e a recuperação da capacidade para o trabalho6.

A restauração da funcionalidade segue sendo uma necessidade não atendida

A falha em alcançar a remissão dos sintomas tem um impacto significativo na funcionalidade do paciente

Roueen Rafeyan (Fienberg School of Medicine, Chicago, EUA) discutiu como a restauração da funcionalidade segue sendo uma necessidade não atendida tanto no TDM quanto na esquizofrenia. O estudo STAR*D7 mostrou que cerca de um terço dos pacientes não atinge a remissão dos sintomas após várias etapas do tratamento, e isso tem um impacto significativo na funcionalidade do paciente8. Em uma meta-análise de grande escala com antipsicóticos, nem todos os medicamentos superaram o placebo nas medidas de funcionalidade social9.

Apresentando o engajamento com a vida do paciente

Existe, portanto, o reconhecimento da necessidade de tratamentos que atinjam benefícios além do controle dos sintomas10. O engajamento com a vida11 do paciente corresponde a aspectos positivos de saúde relacionados à cognição, vitalidade, motivação e recompensa, e a capacidade de sentir prazer - resultados que são importantes para os pacientes. O Dr. Rafeyan enfatizou que combinar cuidados baseados em avaliações com a voz do paciente é a chave para compreender o impacto total de uma condição.

Resultados relatados pelo paciente que capturem domínios significativos para os pacientes são necessários no tratamento baseado em avaliações

Para isso, são necessários instrumentos de avaliação adequados que possam refletir adequadamente a voz do paciente12. Esses instrumentos devem abranger aspectos cognitivos, sociais, físicos e emocionais. Uma sugestão é aumentar o uso de resultados relatados pelo paciente (PROs)13. O engajamento com a vida do paciente exige que os PROs capturem domínios que são significativos para os pacientes, e não apenas os sintomas avaliados em escalas relacionadas ao observador.

Além da resposta - rumo à recuperação e resiliência

Greg Mattingly (Washington University School of Medicine, St. Louis, EUA) descreveu como o objetivo do tratamento está mudando:

  • Resposta - muitos sintomas permanecem
  • Remissão - sintomas geralmente aliviados, mas alguns permanecem
  • Recuperação - poucos sintomas ou nenhum, melhora na funcionalidade e na qualidade de vida do paciente
  • Resiliência

A resiliência é fundamental para a promoção da saúde e a prevenção e o tratamento de doenças do cérebro

A resiliência é fundamental para a promoção da saúde, e prevenção e tratamento de doenças do cérebro14. Promover a resiliência envolve estratégias básicas, como nutrição adequada, sono e atividade física, combinadas com estratégias adicionais, como treinamento de mindfulness e farmacoterapia15. Ter como alvo os sistemas neurais envolvidos na regulação da emoção e do estresse nos processos cognitivos e nos comportamentos sociais pode, em última análise, afetar as mudanças neurobiológicas que comandam o comportamento15. Em uma visão holística, ajudar os pacientes a obterem resiliência e se engajarem com suas vidas é essencial na tomada de decisões compartilhada sobre o tratamento.

Uso de resultados relatados pelo paciente para avaliar o engajamento com a vida do paciente

O engajamento com a vida do paciente é um resultado mensurável que pode melhorar após o tratamento

O professor Mattingly discutiu 10 itens selecionados do IDS-SR (Inventário de Sintomatologia Depressiva - autorrelato, IDS-SR10), uma medida relatada pelo paciente que foi explorada para capturar elementos do engajamento com a vida do paciente além dos principais sintomas da depressão16. Pode valer a pena explorar o IDS-SR10 em outros estados de doença além do TDM. Os estudos iniciais sugerem que o engajamento com a vida do paciente é um resultado mensurável que pode melhorar após o tratamento16.

Todos os palestrantes concordaram que uma abordagem holística para o tratamento focado no paciente é necessária no TDM e na esquizofrenia. O novo conceito de 'engajamento com a vida do paciente' refletindo resultados de tratamento significativos para os pacientes também é mensurável, o que pode ajudar os HCPs a incorporar as perspectivas do paciente no desenvolvimento de uma estratégia de saúde.

O apoio financeiro educacional para este simpósio satélite foi fornecido pela Otsuka/Lundbeck.

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências
  1. Manderscheid RW, et al. Evolving definitions of mental illness and wellness. Prev Chronic Dis 2010;7(1):A19.
  2. Stewart V, et al. Exploring goal planning in mental health service delivery: a systematic review protocol. BMJ Open 2021;11(5):e047240.
  3. Rose G, Smith L. Mental health recovery, goal setting and working alliance in an Australian community-managed organization. Health Psychol Open 2018;5(1):2055102918774674.
  4. Baune BT, Cronquist Christensen M. Differences in Perceptions of Major Depressive Disorder Symptoms and Treatment Priorities Between Patients and Health Care Providers Across the Acute, Post-Acute, and Remission Phases of Depression. Front Psychiatry 2019;10:335.
  5. Bridges JFP, et al. Quantifying the treatment goals of people recently diagnosed with schizophrenia using best-worst scaling. Patient Prefer Adherence 2018;12:63-70.
  6. Bridges JFP, et al. A test of concordance between patient and psychiatrist valuations of multiple treatment goals for schizophrenia. Health Expect 2013;16(2):164-76.
  7. Rush JA, et al. Acute and longer-term outcomes in depressed outpatients requiring one or several treatment steps: a STAR*D report. Am J Psychiatry 2006;163(11):1905-17.
  8. Israel JA. The Impact of Residual Symptoms in Major Depression. Pharmaceuticals (Basel) 2010;3(8):2426-40.
  9. Huhn M, et al. Comparative efficacy and tolerability of 32 oral antipsychotics for the acute treatment of adults with multi-episode schizophrenia: a systematic review and network meta-analysis. Lancet 2019;394(10202):939-51.
  10. Juckel G, et al. Towards a framework for treatment effectiveness in schizophrenia. Neuropsychiatr Dis Treat 2014;10:1867-78.
  11. Bartrés-Faz D, et al. Meaning in life: resilience beyond reserve. Alzheimers Res Ther 2018;10(1):47.
  12. McCue M, et al. Adapting the Goal Attainment Approach for Major Depressive Disorder. Neurol Ther 2019;8(2):167-76.
  13. Mercieca-Bebber R, et al. The importance of patient-reported outcomes in clinical trials and strategies for future optimization. Patient Relat Outcome Meas 2018;9:353-67.
  14. Malhi GS, et al. Make News: Modelling adversity-predicated resilience Aust N Z J Psychiatry 2020;54(7):762-5.
  15. Malhi GS, et al. Modelling resilience in adolescence and adversity: a novel framework to inform research and practice. Transl Psychiatry 2019;9(1):316.
  16. Thase M, et al. Efficacy of Adjunctive Brexpiprazole in Adults With MDD: Improvement of Patient Engagement Based on Selected Items From the Inventory of Depressive Symptomatology Self-Report (IDS-SR) Scale. Psych Congress 2019; P301.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.