Não há saúde sem saúde mental

A redução de 10 a 25 anos na expectativa de vida de pessoas com transtornos mentais graves, em comparação com a população em geral, é reflexo de um alto nível de comorbidades e cuidados de saúde inadequados. A provisão de serviços de saúde mental que integrem cuidados preventivos, diagnóstico e tratamento é a chave para fornecer igualdade de atendimento e eliminar essa diferença em relação à expectativa de vida.

O diabetes e as doenças cardiovasculares são até duas vezes mais comuns entre pessoas com transtornos mentais graves, transtornos por uso de substâncias e transtornos mentais comuns, tais como a depressão, em comparação com a população em geral.2
 

Uma redução na expectativa de vida de 10-25 anos1 – em grande parte devido ao diabetes e a doenças cardíacas

Por que o diabetes e as doenças cardiovasculares são tão prevalentes?

Comportamentos de risco, menores taxas de mapeamento de morbidades cardiometabólicas e menores taxas de tratamentos preventivos contribuem para a alta prevalência de diabetes e doenças cardiovasculares entre pessoas com transtornos mentais. Por exemplo:

12% das pessoas com transtornos mentais graves têm diabetes3, em comparação à prevalência global de 8,5%4

  • Pessoas com transtornos mentais graves têm maior probabilidade de fumar, ingerir álcool em excesso, levar uma vida sedentária, ter sono perturbado e adotar uma dieta “pouco saudável”.2
  • Pessoas com transtornos mentais graves recebem menos educação sobre saúde preventiva e são menos propensas a realizar dosagem de hemoglobina glicada ou colesterol; a utilizarem estatinas e, consequentemente, menos propensas a terem examinadas complicações nos olhos ou nos pés causadas pelo diabetes.5

 

Aumento do risco de doenças respiratórias e tuberculose

Doenças respiratórias, tuberculose e transtornos mentais compartilham fatores de risco comuns, que incluem ausência de moradia, tabagismo e abuso de álcool/substâncias.6 Como resultado, pessoas com transtornos mentais graves possuem maior risco para doenças respiratórias e tuberculose.2

 

Estratégias para igualdade  de atendimento

Integrar intervenções no estilo de vida ao programa de saúde mental

Têm sido defendida uma abordagem proativa, de cuidado escalonado para doenças físicas, intervenções farmacológicas e psicossociais, juntamente com monitoramento de longo prazo dos resultados, e apoio à adesão, além da participação ativa do paciente.7 Por exemplo, a abordagem de cuidado colaborativo do Programa de Prevenção de Diabetes (do inglês: Diabetes Prevention Program).8

Lancet Psychiatry Commission: A blueprint for protecting physical health in people with mental illness (Comissão de Psiquiatria da Lancet: um projeto para proteger a saúde física de pessoas com doenças mentais),2 é um relatório internacional focado em soluções para resolver as disparidades da saúde física e da saúde mental, e enfatiza a necessidade de:

Foque em um cuidado colaborativo, coordenado, contínuo, comunitário e compassivo

Também foi destacada uma abordagem “5C” — colaborativa, coordenada, contínua, comunitária, compassiva — para os cuidados de saúde centrados na pessoa, que vão além dos indivíduos com transtornos mentais graves, e passam a considerar o ambiente a sua volta e seus cuidadores9 (para mais informações, consulte https://progress.im/en/content/re-engineering-healthcare-preventing-and-managing-comorbidity-mental-health-conditions)

A Dra. Alexandrina Meleiro participou desta ação de forma voluntária, não recebendo qualquer tipo de pagamento ou compensação para tal.

Referências
  1. World Health Organization. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/management/info_sheet.pdf Acessado em: 01 Out 2020.
  2. Firth J, et al. Lancet Psych 2019;6:675–712.
  3. Holt R, Mitchell A. Nature Rev Endocrinol 2015;11:79–89.
  4. World Health Organization. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/diabetes Acessado em: 01 Out 2020.
  5. Mitchell A, et al. Br J Psych. 2009;194:491–9.
  6. Doherty AM, et al. Gen Hosp Psychiatry 2013;35:398–406.
  7. Patel V. Intervention 2014;12:15–20.
  8. The Diabetes Prevention Program (DPP) Research Group. Diabetes Care 2002;25: 2165–71.
  9. Patel V. Lancet 2015;385:1826–7.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.