O que acontece no cérebro durante a esquizofrenia?

Exames de neuroimagem revelam perda de volume de massa cinzenta cerebral na esquizofrenia. Novos insights sobre a localização e progressão dessas alterações cerebrais, sua relação com o envelhecimento normal do cérebro e seu significado, e como elas são afetadas pelas terapias antipsicóticas de primeira e segunda geração foram apresentados por especialistas em um fascinante simpósio sobre o estado da arte no WCP2021.

Localização das alterações da substância cinzenta cortical

A redução do volume de substância cinzenta é mais proeminente e mais difundida nas fases iniciais da esquizofrenia

Muitos estudos de neuroimagem confirmaram a redução progressiva do volume de substância cinzenta cortical na esquizofrenia, disse o Professor Antonio Vita (Itália). Essas alterações não são difundidas, mas confinadas a áreas específicas do cérebro. Sua localização foi demonstrada por uma meta-análise e uma meta-regressão realizada pelo Professor Vita e colegas,1 que demonstrou:

  • A redução do volume de substância cinzenta é mais proeminente e mais difundida nas fases iniciais da esquizofrenia, afetando a substância cinzenta frontal, temporal e parietal4
  • A redução no volume total de substância cinzenta através do tempo é mais notável nas regiões do hemisfério esquerdo e superior temporal1

À medida que a esquizofrenia progride, a redução no volume total de substância cinzenta através do tempo é mais notável nas regiões do hemisfério esquerdo e superior temporal

Entre indivíduos com primeiro episódio de esquizofrenia, a progressão da alteração de substância cinzenta mostrou ser restrita àqueles com desfechos negativos,2 observou o Professor Vita.

Alterações no cérebro antes da transição para a psicose

As alterações no cérebro precedem a transição para psicose antes do tratamento com antipsicóticos, disse o Professor Lynn DeLisi (EUA), que destacou uma revisão e meta-análise de correlatos neuroanatômicos para alto risco clínico para psicose e potenciais preditores de transição.

Menos substância cinzenta cortical em certas regiões do cérebro em indivíduos que transicionam para a psicose

Entre os indivíduos com alto risco clínico para psicose, a transição para psicose foi associada a menos substância cinzenta cortical no lobo temporal direito, cingulado anterior e paracingulado.3

As imagens de ressonância magnética estrutural também revelaram subgrupos neurobiologicamente distintos de pacientes com esquizofrenia, e isso tem sido útil para individualizar as intervenções,4 disse o Professor DeLisi. Mas não está claro quais devem ser as intervenções ou quando devem ser aplicadas. O desafio para as próximas décadas é desenvolver intervenções que previnam as alterações cerebrais progressivas.

Efeitos da terapia antipsicótica e envelhecimento normal na perda de volume cerebral

Uma maior administração média diária de antipsicóticos em pacientes tratados apenas com antipsicóticos de segunda geração está associada a uma perda menos progressiva de substância cinzenta

As variáveis de confusão da perda excessiva de volume cerebral durante a esquizofrenia incluem terapia antipsicótica de primeira geração versus de segunda geração e envelhecimento fisiológico, disse o Professor Vita.

A administração cumulativa de antipsicóticos com pelo menos um antipsicótico de primeira geração está ligada a uma perda significativamente maior do volume total de substância cinzenta cortical ao longo do tempo em pacientes com esquizofrenia, em comparação com controles saudáveis,5 explicou ele.

Em contraste, a maior administração média diária de antipsicóticos em pacientes tratados apenas com antipsicóticos de segunda geração foi associada a uma perda menos progressiva de substância cinzenta.6

O uso de antipsicóticos de segunda geração pode prevenir ou retardar as alterações cerebrais progressivas

Em termos de envelhecimento cerebral, a idade cerebral no início da esquizofrenia é significativamente maior do que a idade cronológica (+3,36 anos).7 Essa diferença entre idade cronológica e idade cerebral da esquizofrenia é chamada de “Lacuna de idade cerebral da esquizofrenia”, disse o Professor Vita. Ela aumenta progressivamente durante o acompanhamento, mas aproximadamente 5 anos após o início da doença, a aceleração diminui de 2,5 anos/ano, logo após o início da doença, para cerca da taxa normal (1 ano/ano).7

As intervenções que podem prevenir ou retardar as alterações cerebrais progressivas na esquizofrenia incluem intervenção precoce, continuidade do tratamento, prevenção de recaídas e uso de antipsicóticos de segunda geração, concluiu o professor Vita.

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados!

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências
  1. Vita A, et al. Progressive loss of cortical gray matter in schizophrenia: a meta-analysis and meta-regression of longitudinal MRI studies. Transl Psychiatry 2012;2(11):e190.
  2. Rosa PGP, et al. What determines continuing grey matter changes in first-episode schizophrenia and affective psychosis? Psychol Med 2015;45(4):817–828.
  3. Fortea A, et al. Cortical gray matter reduction precedes transition to psychosis in individuals at clinical high-risk for psychosis: A voxel-based meta-analysis. Schizophr Res 2021;232:98–106.
  4. Xiao Y, et al. Subtyping schizophrenia patients based on patternsof structural brain alterations. Schizophr Bull 2021 Sep 11;sbab110.doi: 10.1093/schbul/sbab110.
  5. Roiz-Santiañez R, et al. Brain structural effects of antipsychotic treatment in schizophrenia: a systematic review. Current Neuropharmacol 2015;13:422–34.
  6. Vita A, et al. The effect of antipsychotic treatment on cortical gray matter changes in schizophrenia: does the class matter? A meta-analysis and meta-regression of longitudinal magnetic resonance imaging studies. Biol Psychiatry 2015;78(6):403–12.
  7. Schnack H, et al. Accelerated brain aging in schizophrenia: a longitudinal pattern recognition study. Am J Psychiatry 2016;173(6):607–16.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.