Pensando claramente com esquizofrenia

O impacto do comprometimento cognitivo associado à esquizofrenia (CIAS, do inglês Cognitive Impairment Associated with Schizophrenia) é de amplo alcance, afetando a qualidade de vida dos pacientes, cuidadores e familiares. É também um grande obstáculo no caminho para a recuperação. Este simpósio do congresso ECNP 2021 explorou os benefícios importantes que a melhora da função cognitiva pode ter, as estratégias de manejo atuais e as opções de tratamento futuras. 

Benefícios de melhorar o comprometimento cognitivo 

Martine Frager Berlet (membro da UNAFAM, França) abriu a sessão descrevendo em primeira mão a realidade de viver com o CIAS. Ela é membro de uma organização francesa que apoia familiares e amigos de pessoas que vivem com doenças mentais.  

O desejo de Martine é que melhorando a função cognitiva melhore a vida de pacientes individuais com: 

  • Comportamento adaptado - melhor compreensão das tentativas de familiares/amigos em ajudar, expressão de seus sentimentos e antecipação e planejamento 

  • Aceitar ajuda 

  • Concluir tarefas 

  • Melhor percepção

Melhorar as habilidades cognitivas pode aumentar a probabilidade de restaurar a funcionalidade social 

Pela experiência dela, melhorar as habilidades cognitivas pode aumentar a autoconfiança dos pacientes e seu controle sobre suas emoções. Reduz o estigma, promove a inclusão social e aumenta a probabilidade de restaurar a funcionalidade social. Martine destacou a importância de fortalecer a aliança terapêutica entre pacientes, cuidadores e profissionais de saúde (HCPs, do inglês Health Care Professionals), para atingir esses objetivos. 

 

Manejando o comprometimento cognitivo na prática clínica 

A Dra. Nagore Penades (NHS Grande Glasgow e Clyde, Reino Unido) deu sua perspectiva, como psiquiatra consultora, sobre a melhor forma de abordar o CIAS na prática clínica. Isso inclui a avaliação do impacto funcional e a identificação e manejo dos sintomas.

85% das pessoas com esquizofrenia têm déficits cognitivos específicos

Os sintomas negativos na esquizofrenia contribuem mais para o comprometimento da qualidade de vida e má funcionalidade do que os sintomas positivos1. Os sintomas negativos estão presentes em pelo menos um quinto das pessoas com esquizofrenia1 e até 85% das pessoas com esquizofrenia têm déficits cognitivos específicos2. Portanto, é insuficiente tratar apenas os sintomas positivos. 

A maioria dos antipsicóticos típicos e atípicos mostra eficácia modesta no manejo de sintomas negativos e cognitivos3. A Dra. Penades sugeriu que não há um único tratamento mágico, mas diferentes elementos terapêuticos devem ser combinados e as abordagens não farmacológicas não devem ser esquecidas4

A funcionalidade social é a capacidade de uma pessoa de se adaptar ao seu ambiente social e seus requisitos5. Um indivíduo com boa funcionalidade requer boa cognição, incluindo atenção, memória de trabalho e funções executivas6, bem como oportunidades para praticar. Ela incentivou os profissionais de saúde a garantir que avaliem a cognição e a funcionalidade na consulta inicial e nas visitas de retorno. A variedade de ferramentas inclui a SCoRS (do inglês Schizophrenia Cognition Rating Scale, traduzido como Escala de Classificação de Cognição da Esquizofrenia)7

Diferentes tratamentos farmacológicos impactam diferentes aspectos da cognição e funcionalidade, e o perfil de segurança deve ser considerado para o paciente em particular 

Diferentes tratamentos farmacológicos impactam diferentes aspectos da cognição e funcionalidade, e o perfil de segurança deve ser considerado para o paciente em particular8. A estratégia proposta da Dra. Penades envolve a compreensão da raiz do problema; direcionar cada questão individualmente, sem esquecer o paciente como um todo; e avaliar o ponto de partida, já que a capacidade, potencial e desejos de cada pessoa são diferentes.

 

Opções de tratamento atuais e futuras 

O Prof. Philip Harvey (Escola de Medicina Miller da Universidade de Miami, EUA) concluiu com as opções terapêuticas atuais e inovadoras. A abordagem farmacológica testou múltiplas estratégias e mecanismos, incluindo agonistas nicotínicos9,10, inibidores de ampaquinas10 e da colinesterase10, mas muitos falharam após a Fase II. Os resultados com um novo inibidor do transportador de glicina são promissores11, mas ainda há muito a ser feito na busca por um tratamento farmacológico eficaz para aqueles que vivem com CIAS. 

O Treinamento Cognitivo Farmacologicamente Ampliado mostrou benefícios ao usar agentes farmacológicos em combinação com o treinamento cognitivo 

O Prof. Harvey descreveu como meta-análises de treinamento cognitivo e de habilidades encontraram claras evidências de eficácia.12,13 Mudanças funcionais precisam de treinamento funcional direcionado em adição ao treinamento cognitivo13. O Treinamento Cognitivo Farmacologicamente Ampliado (PACT, do inglês Pharmacologically Augmented Cognitive Training) mostrou benefícios ao usar agentes farmacológicos em combinação com o treinamento cognitivo14,15. Ele pode aumentar a atividade ou facilitar a plasticidade15, e os injetáveis de ação prolongada apresentam maior benefício do que os medicamentos orais16

Um desafio futuro é que os autorrelatos de capacidade cognitiva e funcional não se correlacionam bem com as avaliações do observador17. Ele sugeriu que as soluções relacionadas à tecnologia podem ser úteis na obtenção de melhores dados de resultados. Capturar sintomas clínicos ‘no momento’, usando avaliação ecológica momentânea, tem benefícios potenciais sobre as avaliações de visitas clínicas, incluindo a eliminação do viés de memória18

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados!

 

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências
  1. Tsapakis EM, et al. Clinical management of negative symptoms of schizophrenia: An update. Pharmacol Ther 2015;153:135-47.
  2. Sheffield JM, et al. Cognitive Deficits in Psychotic Disorders: A Lifespan Perspective. Neuropsychol Rev 2018;28(4):509-33.
  3. Sinkeviciute I, et al. Efficacy of different types of cognitive enhancers for patients with schizophrenia: a meta-analysis. NPJ Schizophr 2018;4(1):22.
  4. Stevović LI, et al. Non-pharmacological treatments for schizophrenia in Southeast Europe: An expert survey. Int J Soc Psychiatry 2021;207640211023072. doi: 10.1177/00207640211023072. Online ahead of print.
  5. Javed A, Charles A. The Importance of Social Cognition in Improving Functional Outcomes in Schizophrenia. Front Psychiatry 2018;9:157.
  6. Bowie CR, Harvey PD. Cognitive deficits and functional outcome in schizophrenia. Neuropsychiatr Dis Treat 2006;2(4):531-6.
  7. Keefe RSE, et al. Reliability, validity and treatment sensitivity of the Schizophrenia Cognition Rating Scale. Eur Neuropsychopharmacol 2015;25(2):176-84.
  8. Baldez DP, et al. The effect of antipsychotics on the cognitive performance of individuals with psychotic disorders: Network meta-analyses of randomized controlled trials. Neurosci Biobehav Rev 2021;126:265-75.
  9. Recio-Barbero M, et al. Cognitive Enhancers in Schizophrenia: A Systematic Review and Meta-Analysis of Alpha-7 Nicotinic Acetylcholine Receptor Agonists for Cognitive Deficits and Negative Symptoms. Front Psychiatry 2021;12:631589.
  10. Sinkeviciute I, et al. Efficacy of different types of cognitive enhancers for patients with schizophrenia: a meta-analysis. NPJ Schizophr 2018;4(1):22.
  11. Fleischhacker WW, et al. Efficacy and safety of the novel glycine transporter inhibitor BI 425809 once daily in patients with schizophrenia: a double-blind, randomised, placebo-controlled phase 2 study. Lancet Psychiatry 2021;8(3):191-201.
  12. Turner DT, et al. A Meta-Analysis of Social Skills Training and Related Interventions for Psychosis. Schizophr Bull 2018;44(3):475-91.
  13. Harvey PD, et al. Evaluation of the Efficacy of BI 425809 Pharmacotherapy in Patients with Schizophrenia Receiving Computerized Cognitive Training: Methodology for a Double-blind, Randomized, Parallel-group Trial. Clin Drug Investig 2020;40(4):377-85.
  14. Swerdlow NR, et al. Amphetamine Enhances Gains in Auditory Discrimination Training in Adult Schizophrenia Patients. Schizophr Bull 2017;43(4):872-80.
  15. Harvey PD, Sand M. Pharmacological Augmentation of Psychosocial and Remediation Training Efforts in Schizophrenia. Front Psychiatry 2017;8:177.
  16. Zhornitsky S, Stip E. Oral versus Long-Acting Injectable Antipsychotics in the Treatment of Schizophrenia and Special Populations at Risk for Treatment Nonadherence: A Systematic Review. Schizophr Res Treatment 2012;2012:407171.
  17. Gould F, et al. Self-assessment in schizophrenia: Accuracy of evaluation of cognition and everyday functioning. Neuropsychology 2015;29(5):675-82.
  18. Harvey PD, et al. Capturing Clinical Symptoms with Ecological Momentary Assessment: Convergence of Momentary Reports of Psychotic and Mood Symptoms with Diagnoses and Standard Clinical Assessments. Innov Clin Neurosci 2021;18(1-3):24-30.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.