Quais são as implicações do trauma na infância para depressão e sua resposta à terapia?

O trauma na infância é um importante fator de risco para transtorno depressivo maior (TDM).1 É significativamente mais comum em pessoas com TDM do que em pessoas saudáveis1 e está associado a um risco maior de início precoce, recorrência e um curso mais crônico de TDM,2 além de uma resposta fraca à terapia antidepressiva padrão.1

Muitas pessoas com TDM experimentaram traumas na infância

Associação a um curso mais crônico de TDM

Os muitos tipos de trauma na infância (ou experiência adversa na infância [EAI]) incluem abuso emocional, sexual e físico; separação familiar, ruptura ou conflito; e experiências de desastres naturais.1,2

Entre 1.008 participantes no estudo internacional para prever o tratamento otimizado para a depressão (iSPOT-D), 62,5% relataram pelo menos dois eventos traumáticos na infância em comparação com 28,4% de 336 saudáveis (p <0,01).1

 

Efeitos negativos na saúde mental, psicossocial e física

Um efeito adverso no desenvolvimento cognitivo e cerebral

O trauma na infância tem um efeito prejudicial no desenvolvimento cognitivo associado a QI mais baixo, atenção visual complexa, memória verbal, aprendizagem, planejamento, resolução de problemas, velocidade de processamento, linguagem, leitura e resultados matemáticos.3

Ter tido pelo menos uma EAI está associado de forma significativa (p <0,0001) a comportamentos de risco em adolescentes (tabagismo, uso de álcool, uso de drogas, pelo menos uma tentativa de suicídio) em comparação com indivíduos sem EAI.2

Mais EAIs também estão associadas a uma taxa mais alta de problemas sérios familiares, profissionais e financeiros, e a uma taxa mais alta de estresse, abuso de substâncias e TDM na vida adulta.2,4

Os efeitos adversos na saúde física incluem um menor comprimento dos telômeros em crianças de 5 e 10 anos de idade,5 inflamação geral de baixo grau na idade adulta com níveis mais altos de biomarcadores inflamatórios,6 pressão arterial mais alta7 e maior prevalência de obesidade.7

 

Uma resposta insatisfatória aos antidepressivos padrões

Menor probabilidade de responder a ISRS ou IRSN

O curso mais crônico de TDM experimentado por pessoas com histórico de traumas na infância é agravado por sua resposta insatisfatória à terapia antidepressiva padrão.

Pacientes com TDM que passaram por traumas na infância entre 4 e 7 anos de idade têm 1,6 vezes menos probabilidade de atingir respostas ou remissão em 8 semanas quando tratados com inibidores seletivos de recaptação da serotonina (ISRSs) ou inibidores de recaptação da serotonina e noradrenalina (IRSNs).1 Entre 722 participantes em iSPOT-D:

  • a taxa de resposta foi de apenas 17,7% em comparação com 82,3% para pacientes sem histórico de abuso na infância.
  • a taxa de remissão foi de apenas 15,9% em comparação com 84,1% para pacientes sem histórico de abuso na infância1

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências
  1. Williams LM, et al. Transl Psychiatry 2016;6:e799.
  2. Hillis SD, et al. Pediatrics 2004;113:320–7.
  3. De Bellis MD, et al. Child Adolesc Psychiatr Clin N Am 2014;23(2):185–222.
  4. Got Your ACE Score? https://acestoohigh.com/got-your-ace-score/ Accessed 14 May 2020.
  5. Shalev I, et al. Mol Psychiatry 2013;18:576–81.
  6. Danese A, et al. PNAS 2007;104:1319–24.
  7. McIntyre RS, et al. Int J Psychiatry Med 2012;43:165–77.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.