Apoio prático à saúde mental em tempos de crise

Muitas pessoas com doenças relacionadas à saúde mental vivenciam uma angústia emocional adicional quando confrontadas com a ameaça à saúde física que o COVID-19 representa para eles e seus entes queridos. Isso pode ser exacerbado pelos efeitos do distanciamento social e da quarentena. Para ajudar os médicos a apoiarem seus pacientes, a Associação Americana de Psiquiatria (APA) reuniu um conjunto de recursos.1 Aqui resumimos alguns elementos importantes.

Ajudando os vulneráveis

Os psiquiatras reconhecem as preocupações, medos e incertezas dos pacientes, compartilham conhecimento médico, corrigem informações incorretas e promovem medidas para reduzir a angústia e manter comportamentos saudáveis, incluindo sono e contato social.

É útil desencorajar a exposição excessiva à cobertura da mídia sobre eventos estressantes, pois isso pode aumentar os impactos negativos sobre a saúde mental.

Entre aqueles que podem ser particularmente vulneráveis durante a pandemia, estão pessoas com delírios, pensamentos e comportamentos obsessivo-compulsivos, sintomas psiquiátricos não controlados e pessoas com histórico anterior de trauma grave. 

A exposição excessiva à cobertura de eventos estressantes pode ter impacto negativo à saúde mental

Em maiores detalhes:

  • A angústia emocional é comum e compreensível. Reconhecer e normalizar isso pode ajudar, como em: "Vejo que você está estressado, e isso é compreensível. Muitas pessoas estão se sentindo assim agora."
  • Incentive os pacientes a reconhecer e tomar consciência de sinais de angústia, incluindo preocupações, medo, insônia, dificuldade de concentração, problemas interpessoais, prevenção de determinadas situações e aumento do uso de álcool ou tabaco.
  • Entre as estratégias para reduzir a angústia estão as medidas preventivas diárias, como lavar as mãos com frequência, manter uma dieta e exercícios físicos saudáveis, conversar com os entes queridos sobre preocupações e buscar passatempos agradáveis.

Baseado em:
Cuidando de Pacientes Durante o Surto de Coronavírus: Um Guia para Psiquiatras (Taking Care of Patients During the Coronavirus Outbreak: A Guide for Psychiatrists); e
Cuidando do Bem-estar Mental dos Pacientes Durante o Coronavírus e Outras Doenças Infecciosas Emergentes: Um Guia para os Médicos (Caring for Patients’ Mental Well-Being During Coronavirus and Other Emerging Infectious Diseases: A Guide for Clinicians). Ambos são do Centro para o Estudo do Estresse Traumático, da Universidade de Serviços Uniformados, Bethesda, MD.

 

Lidando com isolamento, distanciamento e quarentena

As fontes de estresse incluem frustração e tédio, estigmatização, medo da infecção, fornecimento inadequado de alimentos e suprimentos médicos, ausência de contato presencial com outras pessoas (incluindo profissionais de saúde), interrupção da rotina e ansiedade por perdas financeiras.

As etapas para atenuar essas consequências psicológicas incluem conselhos sobre como fazer os preparativos para o isolamento, distanciamento e a quarentena (incluindo atividades de planejamento para combater o tédio), o fornecimento de informações claras e precisas sobre a doença e a possível necessidade de estender esse distanciamento, e ajuda prática para manter a comunicação com os outros.

Baseado em:
Efeitos Psicológicos da Quarentena Durante o Surto de Coronavírus (Psychological Effects of Quarantine During the Coronavirus Outbreak) do Centro para o Estudo do Estresse Traumático, da Universidade de Serviços Uniformados, Bethesda, MD. Fonte primária: Brooks SK, et al. The Lancet 2020; 26 de fevereiro