Devemos tratar as mulheres com esquizofrenia de forma diferente dos homens?

O gênero muitas vezes não é considerado no tratamento de pacientes com esquizofrenia. Mas as mulheres têm cérebros diferentes e fisiologia diferentes dos homens, e isso pode afetar o curso clínico da doença e as necessidades de tratamento de mulheres com esquizofrenia. A professora Iris Sommer falou no SIRS 2022 (Encontro Anual da Sociedade Internacional de Pesquisa da Esquizofrenia) sobre como os cuidados com a psicose para as mulheres podem ser otimizados.

O cérebro como um órgão unissex é um mito, disse a Professora Iris Sommer, Centro Médico Universitário Groningen, Groningen, Holanda em sua apresentação plenária. Os cérebros de homens e mulheres são muito diferentes, e essas diferenças têm implicações importantes no tratamento de pacientes com esquizofrenia.

Os cérebros de homens e mulheres são muito diferentes, e isso tem grandes implicações para o tratamento de pacientes com esquizofrenia

 

Aspectos de diagnóstico e sintomas em mulheres com esquizofrenia

As diferenças de gênero na esquizofrenia e seu tratamento são aparentes ao longo da doença, mas o tratamento de mulheres com psicose é menos baseado em evidências do que para os homens, disse a professora Sommer. Uma razão para isso é que os ensaios clínicos de antipsicóticos mostram um viés de gênero longe de ser insignificante, com as mulheres como uma população sub-representada.1

As mulheres são uma população sub-representada em ensaios clínicos

As diferenças de gênero na esquizofrenia foram destacadas em um estudo de coorte finlandês que investigou a trajetória clínica de mais de 16.000 homens e mulheres hospitalizados por transtorno do espectro da esquizofrenia (TEE) entre 2000 e 2014.2 Neste estudo, em contraste com homens que foram tipicamente (e como esperado) diagnosticados aos seus 20 anos de idade, mulheres com esquizofrenia foram diagnosticadas em qualquer idade ao longo da vida.2

Os sintomas da psicose também evoluem de forma diferente nas mulheres do que nos homens, explicou a professora Sommer, e os sintomas afetivos são muito mais comuns nas mulheres. Na coorte finlandesa, os sintomas afetivos foram diagnosticados em 62% das mulheres em comparação com 39% dos homens antes da hospitalização por TEE.2

Em um estudo, os homens foram tipicamente diagnosticados aos 20 anos, enquanto as mulheres foram diagnosticadas em qualquer idade ao longo da vida

Os níveis de estrógeno devem ser considerados ao tratar mulheres com esquizofrenia

Além das diferenças cerebrais, homens e mulheres exibem variações na fisiologia, incluindo diferenças na composição corporal e transições hormonais, bem como diferenças na farmacocinética e farmacodinâmica. Essas diferenças afetam a absorção, distribuição e o metabolismo dos medicamentos.3 Níveis plasmáticos mais altos, por exemplo, podem aumentar o risco de eventos adversos em mulheres.3

As mulheres normalmente se saem melhor do que os homens na esquizofrenia em fase inicial

O hormônio feminino estrógeno desempenha um papel particular nas diferenças de gênero em relação à medicação antipsicótica através de seus efeitos no sistema do citocromo hepático (CYP). As concentrações plasmáticas de medicamentos são tipicamente mais altas em mulheres quando os níveis hormonais são altos, por exemplo, antes da menopausa. O estrógeno também pode modular o efeito dos agentes dopaminérgicos, aumentando a sensibilidade ao receptor D2 e a deficiência de estrógeno pode levar a um aumento dos sintomas psicóticos.3 Isso pode ser uma razão pela qual as mulheres normalmente se saem melhor do que os homens nos estágios iniciais da doença em comparação com os homens, explicou a professora Sommer.

Terapias de reposição hormonal e de aumento do tipo por estrógeno têm potencial no manejo de mulheres com esquizofrenia.

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados

 

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências
  1. Santos-Casado M, García-Avello A. Systematic Review of Gender Bias in the Clinical Trials of New Long-Acting Antipsychotic Drugs. J Clin Psychopharmacol 2019;39:264─272.
  2. Sommer IE, et al. The clinical course of schizophrenia in women and men-a nation-wide cohort study. NPJ Schizophr 2020; 6:12. 
  3. Brand BA, et al. Antipsychotic medication for women with schizophrenia spectrum disorders. Psychol Med 2021:1─15.
Você está deixando Progress in Mind
Olá,
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação para o seu endereço de email. Por favor, verifique sua caixa de entrada e/ou sua caixa de spam e clique no botão Confirmo meu endereço de email para obter acesso completo ao site.
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.