Elevando o nível para uma prevenção bem sucedida da enxaqueca

Uma redução de 75% nos dias de enxaqueca pode ser alcançada em até um terço dos pacientes com enxaqueca crônica tratados com anticorpos monoclonais anti-peptídeos relacionados ao gene da calcitonina, que também mostram eficácia a longo prazo e um rápido início de ação. Em contraste a isso, as terapias preventivas tradicionais de enxaqueca oral são consideradas eficazes se reduzirem os dias de enxaqueca em 50%. "Deve-se elevar o nível para a prevenção bem-sucedida da enxaqueca?", perguntou um especialista na EAN 2022 (Congresso da Academia Europeia de Neurologia).

Objetivos para a terapia preventiva da enxaqueca

O objetivo final da terapia preventiva é prevenir a progressão da enxaqueca para enxaqueca crônica

Uma abordagem de tomada de decisão conjunta centrada no paciente é essencial para decidir sobre metas de tratamento preventivo realistas para um paciente com enxaqueca episódica incapacitante de alta frequência, explicou a professora Cristina Tassorelli, Pavia, Itália. Ela destacou o histórico do caso de uma de suas pacientes para demonstrar fatores a serem levados em consideração em termos de objetivos de tratamento.

Os objetivos do tratamento e sua prioridade variam para diferentes pacientes em diferentes estágios de sua vida, disse a professora Tassorelli; porém, eles incluem:

As metas de tratamento preventivo e sua prioridade variam para diferentes pacientes

  • Redução na frequência de ataque, na gravidade e na duração
  • Melhor resposta a terapias agudas e prevenção do uso excessivo de medicamentos
  • Melhoria da funcionalidade e da qualidade de vida
  • Eficácia a longo prazo e prevenção da progressão para enxaqueca crônica1,2
  • Um início rápido de ação3
  • Um perfil de tolerabilidade favorável4

 

Eficácia das terapias preventivas da enxaqueca

A eficácia dos tratamentos de enxaqueca é tradicionalmente avaliada em termos de seu efeito nos dias mensais de enxaqueca, disse a professora Tassorelli. A referência para a eficácia das terapias tradicionais de prevenção da enxaqueca oral tem sido uma redução de 50% nos dias de enxaqueca mensais.1

Pacientes com uma taxa de resposta de 75% relatam melhor funcionalidade diária do que aqueles com uma resposta de 50%

Até um terço dos pacientes com enxaqueca crônica tratados com anticorpos monoclonais (AcMcs) anti-peptídeos relacionados ao gene da calcitonina (CGPR) pode atingir, pelo menos, 75% de redução em dias de enxaqueca mensais.5-8

O Teste de Impacto da Cefaléia de 6 itens (TIC-6), que avalia a dor, a funcionalidade social, a funcionalidade de papéis, a vitalidade, a funcionalidade cognitiva e o sofrimento psicológico, revela que esses pacientes com uma resposta de 75% possuem melhor funcionalidade diária do que aqueles que alcançam uma resposta de 50%3,9,10, acrescentou a professora Tassorelli.

 

Eficácia a longo prazo de AcMcs anti-CGRP

Estudos de longo prazo de anti-CGRPs demonstram eficácia sustentada com melhor funcionalidade

Estudos também demonstraram eficácia a longo prazo de AcMcs anti-CGRP ao longo de 1–2 anos em pacientes com enxaqueca crônica, com melhorias sustentadas nas medidas de resultado relatadas pelo paciente, incluindo a pontuação da Avaliação de Incapacidade de Enxaqueca (MIDAS - Migraine Disability Assessment),11,12 disse a Professora Tassorelli.  

A pontuação da MIDAS mede a incapacidade relacionada à cefaléia, como tempo perdido de trabalho remunerado ou escola, trabalho doméstico e atividades não-relacionadas ao trabalho devido à cefaléia, e fornece uma melhor avaliação da carga da doença do que os dias mensais de enxaqueca (DMEs).13

 

Início da ação de AcMcs anti-CGRP

A eficácia preventiva pode ser observada a partir do dia 1

O início precoce do efeito é importante para melhorar a adesão e o resultado, disse o professora Tassorelli, bem como permite um rápido retorno à vida diária normal. A eficácia preventiva pode ser observada a partir do Dia 114,15 e é evidente para todos os AcMcs anti-CGRP dentro de uma semana.14-17

A professora Tassorelli concluiu fazendo referência ao histórico de sua paciente. Ela comentou que, embora os pacientes com enxaqueca devam ser incentivados a ter expectativas realistas, com o advento dos AcMcs anti-CGRP significa que agora pode ser possível elevar o nível ao decidir com o paciente sobre as metas de tratamento preventivo.

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências

  1. American Headache Society. The American Headache Society Position Statement on Integrating New Migraine Treatments into Clinical Practice. Headache. 2019;59(1):1–18.
  2. May A, Schulte LH. Chronic migraine: risk factors, mechanisms and treatment. Nat Rev Neurol. 2016;12(8):455–64.
  3. Ailani J, Winner P, Hartry A, et al. Patient preference for early onset of efficacy of preventive migraine treatments. Headache. 2022;62(3):374–82.
  4. Mansfield C, Gebben DJ, Sutphin J, et al. Patient preferences for preventive migraine treatments: A discrete-choice experiment. Headache. 2019;59(5):715–26.
  5. Brandes JL, Diener HC, Dolezil D, et al. The spectrum of response to erenumab in patients with chronic migraine and subgroup analysis of patients achieving ≥50%, ≥75%, and 100% response. Cephalalgia. 2020;40(1):28–38.
  6. Halker Singh RB, Aycardi E, et al. Sustained reductions in migraine days, moderate-to-severe headache days and days with acute medication use for HFEM and CM patients taking fremanezumab: Post-hoc analyses from phase 2 trials. Cephalalgia. 2019;39(1):52–60.
  7. Detke HC, Goadsby PJ, Wang S, Friedman DI, Selzler KJ, Aurora SK. Galcanezumab in chronic migraine: The randomized, double-blind, placebo-controlled REGAIN study. Neurology. 2018;91(24):e2211–21.
  8. Lipton RB, Goadsby PJ, Smith J, et al. Efficacy and safety of eptinezumab in patients with chronic migraine: PROMISE-2. Neurology. 2020;94(13):e1365–77.
  9. Lipton RB, Charleston L 4th, Tassorelli C, Brevig T, Hirman J, Cady R. Patient-reported outcomes, health-related quality of life, and acute medication use in patients with a ≥ 75% response to eptinezumab: subgroup pooled analysis of the PROMISE trials. J Headache Pain. 2022;23(1):23.
  10. Shin HE, Park JW, Kim YI, Lee KS. Headache Impact Test-6 (HIT-6) scores for migraine patients: Their relation to disability as measured from a headache diary. J Clin Neurol. 2008;4(4):158–63.
  11. Kudrow D, Cady RK, Allan B, et al. Long-term safety and tolerability of eptinezumab in patients with chronic migraine: a 2-year, open-label, phase 3 trial. BMC Neurol. 2021;21(1):126.
  12. Iannone LF, Fattori D, Benemei S, Chiarugi A, Geppetti P, De Cesaris F. Long-term effectiveness of three anti-CGRP monoclonal antibodies in resistant chronic migraine patients based on the MIDAS score. CNS Drugs. 2022;36(2):191–202.
  13. Lipton RB, Stewart WF, Sawyer J, Edmeads JG. Clinical utility of an instrument assessing migraine disability: the Migraine Disability Assessment (MIDAS) questionnaire. Headache. 2001;41(9):854–61.
  14. Dodick DW, Gottschalk C, Tassorelli C, Cady R, Hirman J. Eptinezumab demonstrated efficacy in sustained prevention of episodic and chronic migraine beginning on day 1 afterdosing. J Headache Pain. 2020;60:2220–31.
  15. Detke HC, Millen BA, Zhang Q, et al. Rapid onset of effect of galcanezumab for the prevention of episodic migraine: Analysis of the EVOLVE studies. Headache. 2020;60(2):348–59.
  16. Schwedt T, Reuter U, Tepper S, et al. Early onset of efficacy with erenumab in patients with episodic and chronic migraine. J Headache Pain. 2018;19(1):92.
  17. Winner PK, Spierings ELH, Yeung PP, et al. Early onset of efficacy with fremanezumab for the preventive treatment of chronic migraine. Headache. 2019;59(10):1743–52.