A importância do sono para a saúde do cérebro

A atividade cerebral de ondas lentas e o sono de ondas lentas são fundamentais para a manutenção dos neurônios corticais e para a homeostase sináptica após a sinaptogênese e a sinaptoplasticidade induzidas pelo aprendizado. Novos insights sobre os mecanismos moleculares subjacentes aos efeitos antidepressivos rápidos destacam a importância do sono de ondas lentas na manutenção da saúde cerebral foram apresentados pelo Professor Tomi Rantamäki, Finlândia, no ECNP 2021 (Congresso Anual do Colégio Europeu de Neuropsicofarmacologia).

Mecanismos moleculares associados aos efeitos antidepressivos rápidos

Alterações atróficas induzidas pelo estresse no cérebro são normalizadas por antidepressivos de ação rápida

As mudanças fisiológicas que ocorrem no cérebro durante os efeitos antidepressivos rápidos e sustentados, induzidos farmacologicamente, destacam a importância da manutenção dos neurônios corticais e da homeostase sináptica durante o sono de ondas lentas, disse o professor Rantamäki.

Estudos em camundongos e ratos sugerem que as alterações atróficas induzidas pelo estresse no cérebro são revertidas por antidepressivos de ação rápida através de uma rápida indução de sinaptogênese e sinaptoplasticidade.1

A sinaptogênese e a sinaptoplasticidade envolvem o fator neurotrófico derivado do cérebro e seu receptor de tropomiosina quinase

Os mecanismos moleculares subjacentes para a sinaptogênese e a sinaptoplasticidade parecem envolver o fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF) e seu receptor-alvo de tropomiosina quinase B (TrkB),1 explicou o professor Rantamäki.

Mais pesquisas são necessárias para esclarecer as vias precisas, mas as hipóteses incluem:

  1. Desinibição, levando ao aumento da liberação de glutamato, que por sua vez regula a liberação de BDNF e então a ativação do receptor TrkB1
  2. Ligação direta ao receptor TrkB, facilitando a ativação do BDNF e plasticidade2

Esses efeitos antidepressivos rápidos e, em alguns casos, sustentados, também podem ser induzidos por intervenções não farmacológicas, como, por exemplo, terapia eletroconvulsiva e privação do sono,3 acrescentou o professor Rantamäki.

 

O efeito excitatório é seguido por atividade de onda lenta

Intervenções “antidepressivas rápidas” são excitatórias

Experimentos em camundongos demonstraram que intervenções “antidepressivas rápidas” são excitatórias. No entanto, depois que as oscilações excitatórias agudas de alta frequência se dissipam, surge no córtex uma atividade de eletroencefalograma (EEG) de ondas lentas – uma característica do sono profundo – disse o professor Rantamäki.3

Essa atividade de ondas lentas está associada à regulação da sinalização BDNF-TrkB e à restauração da homeostase sináptica.1

Homeostase sináptica, plasticidade e sono integram efeitos antidepressivos rápidos

Com base nesses estudos, o professor Tomi Rantamäki e seus colegas propuseram o ENCORE-D — Codificação, Consolidação e Renormalização na Depressão, em que homeostase sináptica, plasticidade e sono integram efeitos antidepressivos rápidos.1

O professor Rantamäki destacou que o ENCORE-D se alinha com a hipótese da homeostase sináptica (SHY) para explicar o propósito do sono de ondas lentas como um período para a homeostase sináptica normalizar a sinaptogênese cortical induzida pelo aprendizado durante a vigília.4

A sinaptogênese cortical induzida durante a vigília não pode continuar diminuindo, devido às demandas metabólicas e espaciais, explicou o professor Rantamäki.

A neurobiologia sono-vigília está ligada a efeitos antidepressivos rápidos e sustentados

O professor Rantamäki concluiu comentando sobre a atual falta de dados sobre o sono em estudos pré-clínicos e clínicos abordando os efeitos antidepressivos,5 e pediu por mais pesquisas sobre a base fisiológica subjacente aos efeitos antidepressivos sustentados e ao sono.

 

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados!

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Referências

  1. Rantamäki T, Kohtala S. Encoding, consolidation, and renormalization in depression: synaptic homeostasis, plasticity, and sleep integrate rapid antidepressant effects. Pharmacol Rev 2020;72:439–465.
  2. Casarotto PC, et al. Antidepressant drugs act by directly binding to TRKB neurotrophin receptors. Cell 2021;184:1299–1313.
  3. Kohtala S, et al. Cortical excitability and activation of TrkB signaling during rebound slow oscillations are critical for rapid antidepressant responses. Mol Neurobiol 2019;56:4163–4174.
  4. Tononi G, Cirelli C. Sleep and the price of plasticity: from synaptic and cellular homeostasis to memory consolidation and integration. Neuron 2014;81(1):12–34.
  5. Alitalo O, et al. A wake-up call: Sleep physiology and related translational discrepancies in studies of rapid-acting antidepressants. Prog Neurobiol 2021;206:102140.