Quem pode se beneficiar mais de um plano de tratamento personalizado para apoiar a saúde do cérebro?

Os indivíduos variam em sua resiliência ou vulnerabilidade à doença de Alzheimer, disse o professor James Galvin, Miami, FL, na ADPD2022 (Conferência para a Doença de Parkinson e Alzheimer) . A resiliência pode oferecer proteção contra um ambiente pobre, enquanto a vulnerabilidade pode ser amortecida pela modificação dos fatores de risco ambientais. Ele descreveu ferramentas que desenvolveu com sua equipe para medir tal resiliência e vulnerabilidade, e a Dra. Camilla Cividini, de Milão, Itália, apresentou um estudo revelando as áreas mais vulneráveis do cérebro.

Quais áreas do cérebro são mais vulneráveis à doença de Alzheimer?

As regiões do cérebro que amadurecem tardiamente são mais vulneráveis ao envelhecimento

A Dra. Cividini apresentou um estudo que realizou com colegas para investigar alterações típicas do afinamento cortical em cérebros saudáveis envelhecidos que podem revelar vulnerabilidade à neurodegeneração.

A equipe realizou ressonância magnética em 128 indivíduos saudáveis e estimou a espessura cortical em 83 regiões e a trajetória da espessura cortical com o aumento da idade.1

O afinamento cortical foi mais evidente nos lobos temporal, frontal e parietal, disse o Dr. Cividini, e menos evidente nas regiões occipitais e áreas motoras e pré-motoras.1

Nunca é cedo ou tarde demais para tomar medidas para prevenir a doença de Alzheimer

Os resultados do estudo são consistentes com a hipótese de "último a entrar, primeiro a sair", em que as regiões do cérebro que amadurecem tardiamente são mais vulneráveis ao envelhecimento, concluiu o Dr. Cividini. Esse afinamento nos lobos temporal, frontal e parietal pode, portanto, ter um papel crucial como um fator de risco aditivo para neurodegeneração relacionada à idade.1

 

Resiliência cerebral vs vulnerabilidade à doença de Alzheimer

Como podemos construir um cérebro melhor à medida que envelhecemos? perguntou o professor James Galvin, da University of Miami Miller School of Medicine, FL.

Modificar 12 fatores de risco — consumo de álcool e tabaco, poluição do ar, lesões na cabeça, baixa escolaridade, hipertensão, deficiência auditiva, obesidade, depressão, inatividade física, baixo engajamento social e diabetes — pode reduzir o risco de doença de Alzheimer em cerca de 40%.2

Modificar e controlar 12 fatores de risco pode reduzir o risco de doença de Alzheimer em cerca de 40%

Embora outros fatores de risco, como idade, sexo, genes e histórico familiar, não possam ser controlados, os indivíduos variam em sua resiliência ou vulnerabilidade à doença de Alzheimer, acrescentou o professor Galvin. A resiliência pode oferecer proteção contra um ambiente pobre, enquanto a vulnerabilidade pode ser diminuída por um bom ambiente.

 

Medindo a resiliência cerebral e vulnerabilidade na doença de Alzheimer

O professor Galvin descreveu ferramentas que desenvolveu com seus colegas para medir a resiliência cerebral e a vulnerabilidade à doença de Alzheimer:

  • O Índice de Resiliência (IR) fornece uma medida quantificável da saúde cerebral e do risco de comprometimento cognitivo e demência3
  • O Índice de Vulnerabilidade (IV) identifica indivíduos com alto risco de comprometimento cognitivo4

Um IR baixo ou IV alto em indivíduos assintomáticos pode informar planos de tratamento personalizados para apoiar a saúde cerebral

O IR combina atividade física, atividade cognitiva, engajamentos sociais, padrão alimentar, mindfulness e reserva cognitiva, resultando em uma gama de pontuações de 1–378, explicou o professor Galvin. Mostra boa discriminação entre indivíduos com e sem comprometimento cognitivo (área sob a curva [AUC] 0,836; intervalo de confiança de 95% [IC] 0,774-0,897).3

O IV combina 12 fatores sociodemográficos, médicos e funcionais modificáveis e não modificáveis facilmente obtidos, incluindo idade, sexo, raça, etnia, educação, fragilidade, obesidade e comorbidades médicas; e também discrimina com precisão entre indivíduos com e sem comprometimento cognitivo (ASC 0,844; IC95% 0,776-0,913).

Um IR baixo ou um IV alto em indivíduos assintomáticos pode, portanto, informar planos de tratamento personalizados para apoiar a saúde cerebral, concluiu o professor Galvin.

 

Quer receber as novidades da Progress in Mind Brazil no seu celular?

Participe do nosso canal no Telegram clicando aqui e receba os novos conteúdos assim que forem publicados

    Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

    Referências

    1. Agosta F, et al. Cortical remodeling across the lifespan in healthy brain reveals structural network vulnerability to neurodegeneration. Alzheimer’s Dementia 2022;17:e053492. https://doi.org/10.1002/alz.053492.
    2. Livingston G, et al. Dementia prevention, intervention, and care: 2020 report of the Lancet Commission. Lancet 2020;396:413–46.
    3. Galvin JE, et al. The Resilience Index: A quantifiable measure of brain health and risk of cognitive impairment and dementia. J Alzheimers Dis 2021;84:1729–46.
    4. Kleiman MJ, Galvin JE. The Vulnerability Index: A weighted measure of dementia and cognitive impairment risk. Alzheimer’s Dement 2021;13:e12249. https://doi.org/10.1002/dad2.12249.