Parceria entre psiquiatra e paciente estimula confiança e cuidado efetivo | Progress In Mind

Parceria entre psiquiatra e paciente estimula confiança e cuidado efetivo

Nós temos tantos objetivos compartilhados —notadamente para garantir que sejam concedidos recursos adequados à saúde mental — que a parceria se torna natural. A questão não é “Por que colaborar?”, mas “Por que levou tanto tempo para começarmos?”, disse Silvana Galderisi no workshop realizado com o grupo de defesa de pacientes GAMIAN Europe, no congresso da Organização de Psiquiatria Europeia (EPA) de2019.

Os problemas de saúde mental respondem por cerca de 20% da carga de incapacidade, porém os serviços de saúde mental normalmente atraem apenas cerca de 4% dos orçamentos nacionais de saúde. Da mesma forma, apenas 5% do orçamento global da UE para a investigação em saúde são gastos em saúde mental.

É necessário respeito mútuo; e um financiamento que corresponda à extensão do problema. Ao conversar com os responsáveis pela elaboração das políticas de saúde e outras partes interessadas, os pacientes e os psiquiatras precisam falar com uma voz forte e unida, argumentou o professor Galderisi, que é ex-presidente da EPA, e é da Universidade de Campania Luigi Vanvitelli, em Nápoles, na Itália.

Os pacientes e os psiquiatras precisam falar com uma voz forte e unida

Financiamento justo e respeito mútuo

Além disto, se capacitarmos os pacientes, nós nos capacitamos; e os pacientes capacitados também são um recurso valioso.

Philip Gorwood, presidente da EPA, endossou essa visão e refletiu sobre os fatores necessários para sustentar um bom relacionamento. Combinar o que o paciente espera com a experiência adequada, no momento e no lugar certo, é a base de um bom relacionamento, ele sugeriu.

O primeiro encontro é aquele no qual será construída a aliança terapêutica. Isso não pode ser feito de forma apressada. Porém, hoje em dia, isto acaba sendo muito comum, devido à pressão para atender muitos pacientes.

Objetivos compartilhados precisam de entendimento compartilhado

Embora seus objetivos possam ser os mesmos, pacientes e psiquiatras, sem dúvida, possuem perspectivas diferentes.

Extrair aquilo que há de melhor em seu relacionamento, enquanto compreende-se melhor os aspectos considerados difíceis, é o objetivo da colaboração de uma pesquisa inovadora que reunirá as narrativas de vinte pares de pacientes e psiquiatras da Finlândia, França, Itália, Romênia e Holanda. O projeto concentra-se em pessoas com experiência em receber tratamento para depressão, incluindo depressão no transtorno bipolar.

Matt Muijen, de Bruxelas, Bélgica, que faz parte do Conselho do GAMIAN, descreveu a iniciativa conjunta para estabelecer o que funciona e o que não funciona nas relações reais entre pacientes e psiquiatras. O projeto conduzirá uma análise qualitativa aprofundada de suas experiências, seguida de grupos focais, para explorar questões como:

•             Intervenções que podem incentivar a confiança e um relacionamento positivo;

•             A adequação de ferramentas e recursos para fornecer tratamentos de boa qualidade;

•             Apoio moral aos profissionais de saúde, e

•             Aspectos da formação e do treinamento que podem preparar melhor os profissionais de saúde.

A relação terapêutica é crucial, especialmente para as condições que necessitam de tratamento de longo prazo

Perspectiva de um paciente

Anouk Drieskens (Geel, Bélgica), que é psicóloga clínica e uma “especialista por experiência”, falou de sua vida desde que foi diagnosticada (de forma tardia) com o transtorno bipolar do tipo 2.

Para ela, o atendimento ideal — embora reconheça a vulnerabilidade do paciente — é baseado em uma crença e uma visão de recuperação. É holístico, incentiva esforços conjuntos focados em encontrar soluções e inclui:

•             A elaboração conjunta de planos de cuidados e tomadas de decisão compartilhadas que levam em consideração os valores, os pensamentos, os sentimentos, as habilidades e os papéis do indivíduo;

•             O incentivo à autogestão;

•             O envolvimento de familiares próximos;

•             O uso de ferramentas para alertar antecipadamente sobre crises iminentes — e para evitá-las quando possível;

•             O incentivo à participação máxima em sociedade, e

•             A cooperação eficaz entre profissionais de saúde.

O cuidado ideal envolve um esforço conjunto focado em encontrar soluções e a crença na recuperação

Uma voz pan-europeia unida

O GAMIAN, que tem a adesão de 26 países europeus, representa os pontos de vista das pessoas com transtornos mentais e dá-lhes voz no desenvolvimento de sólidas políticas nacionais e da UE sobre prestação de serviços, disse Hikka Karkkainen, da Finlândia, presidente do GAMIAN-E, no workshop. Como sinal de uma estreita cooperação com outros, especialmente com a EPA, o presidente do GAMIAN é um membro votante no Conselho da Associação.

Entre as iniciativas atuais do GAMIAN está o desenvolvimento de um estatuto para pessoas com esquizofrenia que abrangerá diferentes tópicos, como iniciativas de defesa e o direito de acesso a um lugar seguro em caso de crise. Em maio de 2018, ela lançou uma Chamada à Ação para destacar a necessidade de melhorar a capacitação e a autogestão do paciente na saúde mental.

As publicações anteriores do EPA incluem Breaking the Silence: Sexual health impact on mental wellbeing (Quebrando o Silêncio: O impacto da saúde sexual no bem-estar mental) e A Sustainable Approach to Depression. (Uma Abordagem Sustentável da Depressão.)

Um novo léxico?

Ao encerrar o workshop, Silvana Galderisi levantou a questão do vocabulário: deveríamos estar falando de pacientes, clientes ou usuários do serviço? Devemos utilizar o termo “transtorno mental”? Deve haver um léxico estipulado ou a diversidade é boa? Questões para um outro momento — todavia, isto é outro exemplo da necessidade de uma abordagem colaborativa.

Our correspondent’s highlights from the symposium are meant as a fair representation of the scientific content presented. The views and opinions expressed on this page do not necessarily reflect those of Lundbeck.

Você está deixando Progress in Mind
Olá
Por favor, confirme seu e-mail
Enviamos um link de confirmação de cadastro para seu e-mail.
Antes de ter o acesso completo, por favor, acesse seu e-mail e confirme seu cadastro
As informações neste site são exclusivamente destinadas a profissionais de saúde.